terça-feira, 29 de junho de 2010

Propaganda

Sempre me perguntei quem seria influenciado por propagandas, acreditava que nenhuma pessoa iria comprar uma marca só porque viu na TV que quem toma Kaiser “pega” várias mulheres, ou que tomar Fanta é tão refrescante quanto uma piscina em um dia de verão.

Hoje descobri quem é essa pessoa:

- EU -
Ao assistir os jogos da Copa pesquisei várias das marcas anunciadas no campo. Fiquei instigado a comprar um balde cheio de Pepsi (mesmo preferindo Coca-Cola) e comprei um fardo de Skol para que elas cantassem e só percebi o consumismo nestes fatos depois de um comentário maldoso de minha namorada.

Isso me deixou intrigado, e comecei a pesquisar minhas memórias por episódios similares. O pior de tudo foi que os encontrei aos montes.
Lembrei que Coca-Cola torna o mundo mais feliz, que amortecedores são Cofap, que para parar de fumar só Fumasil, e fazendo uma singela homenagem ao antigo 1406 que meias Vivarina nunca desfiam, facas Guinsu cortam tudo e nunca perdem o fio, e que óculos Ambervision além de serem belos te protegem contra raios UV. Pior, lembrei que se fosse comprar qualquer produto eles seriam destas marcas!

Portanto concluí de forma dolorida que propaganda funciona! E que eu sou uma de suas maiores vítimas.

PS.: As latas não cantaram de início mas depois que tomei a 12ª todas fizeram uma versão a cappella de Bad Moon do CCR que me trouxe lágriams aos olhos.

PPS.: Esta é uma das milhares de propagandas que me fizeram comprar algo.

segunda-feira, 28 de junho de 2010

Deixa eu ser da tchurma do futeba?

Sou brasileiro. Minto. Sou metade brasileiro. Ao menos segundo aquela famosa afirmação de que “brasileiro não vive sem 4 coisas: carro, futebol, mulher e cerveja”. Bom, eu estou vivo até hoje, mesmo gostando de apenas metade destas coisas (e para os críticos de plantão, terminem o post antes de me rotular por critérios sexuais).

Então, por que quando digo que não gosto, não entendo e não faço questão de entender de carro, ou no caso deste post, de futebol, recebo olhares de soslaio e sou (nem tão) discretamente deixado de lado?
Ok, não faço questão de entender. Quero apenas ser da tchurma! Afinal, sou um ser social (mas não necessariamente sociável).
Então, passo a ler a seção de esportes, assisto mesas-redondas e coisa e tal, formando opinião até que interessante sobre um ou outro time, aquela bandeirinha gostosa ou técnico. O Pelé, por exemplo, esteve fenomenal na copa de 82, não?
Depois de muito estudo, tal qual um jogador diante de final de Copa, preparo-me e reviso minhas anotações antes de adentrar o gramad... o buteco, onde os meus caros colegas de blog e adjacentes estão assistindo a uma partida futebolística qualquer.
E olhem bem. Eu juro! Eu juro que prestei atenção no jogo! E quando a bola foi pro lateral e o bandeira mexeu a humm... bandeirinha, gritei:

“Chama pra um dois, que daí não tem impedimento!”

Merda. Não sei o que deu errado, mas depois de todo o bar rir da minha cara, me acertaram pacotinhos de alimentos industriais na cabeça. Um, inclusive, acertou o olho.

E é por isso que agora eu digo: antes Godard do que Gerrard!

Some odds and ends...

Bom, agora que já fomos (in)devidamente apresentados pelo colega Salsicha, que já vimos o Minero renegar partes até então tidas como essenciais de seu caráter e eu dizendo besteiras sem qualquer sentido e amplamente afetadas pelo alcool, além do inicio de uma (aparente) relação de amor e ódio com outro blog (como visto no post integralmente dedicado a isto ali em baixo) já podemos tratar de assuntos relevantes ao F.B., ou seja tudo e porra nenhuma...
E como eu estou com preguiça e sem nenhuma criatividade para tratar desse primeiro assunto deixo a cargo do proximo mala que pensar em algo útil (?).

Pensamento do dia: Em briga de Saci todo chute é voadora!

E TENHO DITO!!!

domingo, 27 de junho de 2010

Na prateleira. Mas na última estante, bem escondido e cheio de pó.

O presente empreendimento coletivo está indo, como minha bisavó diria, “de vento em popa”! Ok, ok. Convenhamos que se dependermos da objetividade e qualidade das filosofias de meus 2 parceiros, o vento está mais pra brisa do que qualquer outra atividade eólica, ou até mesmo da minha concisão, a nossa popa se tornará verbo, esperando que nossos leitores nos poupem de tanta merda. Mas não precisamos nem de qualidade, objetividade ou mesmo concisão, desde que tenhamos a inveja alheia, afinal, segundo Jean de La Bruyère (quem?) “A desgraça extingue ódios e invejas". E tenho dito! . Mas, hein? Não, não! Desculpem-me. Não estamos tão ruins assim a ponto considerarmos isso aqui uma desgraça. E a inveja, como dito, não foi extinta e está presente entre nós, (muito mal) personificada pela minha que-ri-da amiga Emmannuella Dennorra (sim, o caráter dúplice reside não apenas na personalidade). Com o seu bloguinho de meia tigela, denominado Na Prateleira, mas com endereço de http://manudenora.zip.net/, a citada “pseudo-(insira aqui a qualificação que desejar)” nos faz acusações vis, as quais não vou sequer me dignar a rebater, já que as tais nem ao menos passaram da rede. O pior, caríssimos, é constatar que a criadora daquele blog utiliza-se de meios furtivos para promovê-lo, já que o mesmo não se sustenta por motivos literários, mas sim promocionais (Quem, se não coagido, gostaria de ser entrevistado por uma cópia mal feita de Luís Fernando Veríssimo? Quem, em pleno século XXI se regozijaria com um tamagoshi? Por fim, quem, em sã consciência, beberia uma água de coco daquela geladeira – que, por sinal, nunca gela – e que lá se encontra há décadas?). Enfim... eu te odeio (mentira, você sabe. Sabe que é verdade). Nota 1: o Na Prateleira é um empreendimento coletivo de uma pessoa, já que algumas vezes, ela se acha tão interessante que se auto-entrevista. Um dia terá potencial pra servir de rascunho pra Kindel. Nota 2: o Filosofia Butequeira sabe admitir que tem coisas melhores que ele próprio. Eu não sou virgem, Maria! é a dica (http://eunaosouvirgemmaria.blogspot.com ). Nota 3: Essa competição é jogada de marketing proposital pelo Na Prateleira, porque está morrendo de medo da gente. Mas a gente ainda ama a Manu, mesmo ela sendo quem é.

UPDATE: tenho que parar de escrever posts tão extensos. Algum neo-neologista acabou de ligar, pra me dizer que eles são "ilíveis".

O começo do (meu) fim...

Por ultimo, mas não menos importante (afinal como já dizia a musica de Nêne Beiçola "Nice guys finish last"). Venho por meio destas mal (e mau) digitadas linhas confirmar e reafirmar minha parcipação neste famigerado(?!) blog.
Como "post" inicial gostaria, já de antemão, agradecer a todos que venham a ler, postar, criticar e ou de qualquer maneira interagir com o mesmo.
Outrossim, finalizando esse "jorro" inicial de sabedoria e auto louvação prozaica (com "Z" de PROZAC) deixair uma singela frase para explicitar (no conceito de uma certa professora paraguaia de Direito Internacional) o que me levou a participar desta ODE ao "Nerdicismo" proposta pelo caro e ébrio colega Pedro "Salsicha" Miranda:
Passarinho que dorme com João de Barro acorda sevente de pedreiro!!!


E TENHO DITO!!!!

PS: Não gostou? Achou chato? Maldoso? Preconceitusoso? -FODA-SE!!!!!!!!!!!!

Mals aê

Eis que surge o blog, esta efígie ao ócio criado por três filósofos bêbados.
Bom ao começar meu primeiro post nesta joça maravilha quero primeiramente me desculpar a todos aqueles amigos que mantinham blogs e foram, de forma vergonhosa, humilhados e criticados por mim.
Isso ocorria porque nunca fui fã de blogs e acreditava ser uma forma tosca de se comunicar e procurar atenção, porém, graças ao caro coleguinha Peidro, eu me traio nas minhas convicções e começo a postar neste lugar.
Quero deixar bem claro que apesar das afirmações do post anterior eu continuo sendo heterossexual, preferindo Original as outras cervejas, fumante, irritante, nerd, viciado em games e levemente convencido.
Preciso também esclarecer que meu interesse neste blog é meramente livrar minha mente de pensamentos impuros que atrapalham minha mente brilhante, porém se a globo.com ou outro portal tiver interesse em gastar dinheiro aqui estou aberto a propostas...
Por fim reitero meu pedido de desculpas àqueles amigos e dou nomes a alguns dos bois:

MALS AÊ: DUDU E ANA

PS.: Se esqueci alguém que xinguei por ter um blog, considerem-se incluídos no mals aê.

sábado, 26 de junho de 2010

E Pedro disse: "Faça-se o blog mais inútil de todos os tempos". E ele foi feito.

Pois é, queridos leitores em busca de conhecimento, ajuda, conselhos e, principalmente, esperança pra continuar com essa coisa inefável que é a vida, vocês não encontrarão nada disso por aqui.
Informo já aos obviamente desinformados, porque se assim não o fossem não precisariam de informação alguma, que este blog tem como único propósito a dispersão do saber butequeiro por 3 das maiores "otoridades" no assunto:

- Pedro: criador e idealizador desta maravilha, por vezes denominado Salsicha, Peidrinho, Cabeção, Playmobil, Sal, Garoto Enxaqueca e outros apelidos carinhosos, será distinguido neste espaço pelo nome em negrito. A quantidade de epítetos apenas comprova sua amabilidade social, a qual foi devidamente cultivada quando de sua vivência em um prédio sem crianças, vindo daí outra alcunha: o famoso "piá de prédio".
Diferentemente de outro(s?) membro(s?) deste espaço, é heterossexual, embora o contrário seja alegado, até mesmo por vias musicais. É fissurado em cinema, podendo facilmente nomear os cinco melhores filmes de Satyajit Ray e escrever de trás pra frente o nome de Krzysztof Kieslowksi. Tudo ao mesmo tempo! É também grande apreciador da beleza feminina (embora, sem descartar aquelas que não a possuem); literatura (incluindo quadrinhos, que afirma veementemente serem literatura) e música (de preferência nacional, mpb, de compositores que comecem com "Ch" e terminem com "ico Buarque").

- Marcos: colega de faculdade do primeiro postador, mas, felizmente, segundo Marcos, de turma diversa daquele, pois afirma que a convivência de ambos só pode ser pacífica se eles se encontrarem apenas de 2 a, no máximo, 3 vezes por semana. Os motivos são desconhecidos, porém, especulam-se serem de ordem sexual.
Até os 18 anos era conhecido por todos volta como "aquele-muleque-estranho-que-anda-de-sapato". Porém, depois de prestar 5672 vestibulares e só passar em 1, teve que se mudar e, em sua nova cidade, passou a ser chamado de "Mineiro", porque, obviamente, veio do Rio Grande do Sul.
É notadamente nerd, pois conhece todas as Terras da Marvel, incluindo aquelas que somente Stan Lee alega conhecer, como a -5 ou a β. Seu maior pesadelo é jogar Resident Evil sem ninguém por perto para protegê-lo, mas demonstra toda sua virilidade ao jogar Guitar Hero como um rockeiro bad-ass.

- Nelson: eterno calouro dos outros dois membros do blog, afirmou em público ter uma amizade gratuita com o primeiro ("porque afinal eu não tenho motivos pra ser amigo dele, mas, ainda assim, sou"), omitindo o fato de conhecer o segundo, pois aquele não gosta de Queen, enquanto este último tem em Freddie Mercury seu ídolo e guia pessoal.
Nascido em uma cidade pequena, este ilustre postador é conhecido por ser uma Barsa Ambulante, conseguindo disparar uma quantidade incomensurável de afirmações epistemológicas por segundo, sem sequer desconfiar o que significam.
Chegando a uma cidade de porte médio, colocou à prova as tranquinagens e o jeito "mallandro" aprendidos nos anos de cidade pequena. Percebeu que fora enganado por seus ditos professores de rua quando, ao cumprimentar um mano das quebradas, disse: "What's up, brou? Qual é a mise-en-scène desta posición?" e este revidou com um soco. Até hoje dado a estrangeirismos, é, sem dúvida, peça fundamental para este blog.

+++

Para não dizerem que não falei das flores, relato o momento de epifania que me levou à criação deste sítio:
LUGAR: buteco, obviamente.
PESSOAS: Pedro, Marcos, Nelson e uma moça que, neste momento, será distinguida aleatoriamente por Ushi.
CONVERSA:
[Pedro volta de uma longa ida ao toalete, mas nem tão longa assim a ponto de se pensar que ele tenha ido fazer algo que não pudesse ser realizado de pé] - Poxa, como é prático ser homem, não? Enquanto me aliviava no mictório, pude tornar aquele tempo tão inútil em que ficava ali de pé em um divertido jogo, no qual o objetivo era ver o quão alto eu conseguia jogar a bolinha de naftalina, por meio do meu potento jato líquido!
[Nelson] - Ora, os meus jogos banheirísticos são muito mais desafiadores, pois eu vou me afastando do recipiente de porcelana, verificando qual é a maior distância em que eu consigo me aliviar e ainda acertar o vaso. O meu recorde é de 12 metros e 55 centímetros, com somente 3 pingadas pra fora!
[Marcos] - Pois é, caros amigos. Eu também realizo certas façanhas com o meu treinado espirro. Outro dia mesmo, consegui limpar a porcelana de um toalete de uma indescritível sujeira feita por algum suíno que estivera ali antes de mim. Minha namorada até mesmo me agradeceu por isso, dizendo ser este o feito mais incrível de toda minha vida.
[Ushi, que, até então, ouvira tudo com uma expressão de "oh-meu-deus-como-tal-proeza-pode-ser-humanamente-realizada?", pergunta] - Oh meu Deus, como tal proeza pode ser humanamente realizada?
[Pedro] - Como assim? Você não sabe que nós homens temos este tipo de atividade?
[Ushi] - Claro que não. Eu sou mocinha!
[Marcos] - É verdade, Pedro. Tua cara de incredulidade é exatamente a mesma que eu fiz quando minha namorada disse que nunca tinha ouvido falar de igual façanha.
[Pedro] - Oh! Oh! Ohhhhhh! (momento de epifania) Tenho que criar um blog para divulgar ao mundo tais conhecimentos! Vocês me ajudam nesta empreitada, caros amigos?
[Marcos e Nelson, em uníssono] - Mas é claro que sim!
[Pedro, Marcos e Nelson selam o acordo com um brinde, enquanto são efusivamente aplaudidos por Ushi]

E você? O que faz de útil com o seu jato?